quinta-feira, 23 de março de 2017

O Patriarca de Lisboa D. Manuel Clemente nas celebrações do 10 de Junho


Nas instalações da Associação de Comandos, na Bataria da Laje, em Oeiras, que teve por objectivo concertar os esforços de todas as Associações de Combatentes e de Militares com o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Comissão Executiva para a Homenagem Nacional aos Combatentes, no passado dia 22 de Fevereiro realizou-se uma sessão de trabalho, onde estiveram presentes 19 Associações, entre as quais a Associação de Combatentes do Concelho de Arganil, com três elementos (o presidente e tesoureiro, respectivamente António Vasconcelos e José Gomes e o secretário do Conselho Fiscal, José de Vasconcelos), num total de 35 ex-combatentes. Os trabalhos demonstraram espírito de colaboração e de amizade; e ao fim de duas horas de apreciação e debate das propostas apresentadas, sempre dentro de um clima de consenso e amizade, foi aprovado o programa proposto para a cerimónia, que é o seguinte:

10.30 Horas - Missa por intenção de Portugal e de sufrágio pelos seus mortos, nos Jerónimos; 12.15 Horas - Abertura da cerimónia junto ao Monumento; 12.15 Horas - Palavras de abertura do Presidente da Comissão Executiva; 12.21 Horas - O presidente lê mensagem do Presidente da República; 12.25 Horas - Cerimónia inter-religiosa católica e muçulmana; 12.33 Horas - Discurso alusivo feito pelo orador; 12.41 horas - Homenagem aos mortos e deposição de flores; 13.04 Horas - Hino Nacional pela Banda da GNR (salva por navio da Marinha); 13.07 Horas – Passagem de aeronaves da Força Aérea; 13.10 horas - Passagem final pelas lápides; 13.30 Horas - Salto de Pára-quedistas do Exército; 13.35 Horas - Almoço-convívio nos terrenos frente ao Monumento.

Foi tornado público que o Cardeal Patriarca de Lisboa aceitou presidir à liturgia nos Jerónimos e que o Grupo de Cantares Alentejanos da GNR vai participar na missa cantada. Será orador convidado para a cerimónia junto ao Monumento, o Dr. Bernardo Manuel Diniz de Ayala, advogado é ex-aluno do Colégio Militar e filho de um Coronel Piloto-Aviador.
Nos últimos anos têm sido convidados os jovens da Casa Pia de Lisboa para cantarem o Hino Nacional. Como ficou reconhecido, por ter sido tão interessante a sua postura e tão aprumada a sua figura, que foram propostos mais uma vez para serem convidados para tal função, com a garantia de que será exemplarmente desempenhada. Nenhum dos presentes levantou dúvidas ou se mostrou em desacordo pelo que serão convidados mais uma vez.
Entretanto soube-se que foi proposto aos CTT a execução de um selo comemorativo com a efígie do Monumento. A ideia foi bem acolhida e as comemorações de 2018, na celebração do 25.º aniversário da realização destas cerimónias no dia 10 de Junho, foi anunciado que a ideia foi muito bem acolhida e o projecto virá a concretizar-se e assim será, sem dúvida, um acontecimento importante para lembrar os Combatentes.
Foi manifestada mais uma vez a necessidade de o Museu do Combatente estar aberto para ser visitado por todos os que vêm a Lisboa, alguns só nesse dia do ano. Porém, o representante da Liga dos Combatentes afirmou que isso será possível estando o Museu aberto para entradas grátis do público até às 11.30 horas. 
Os trabalhos terminaram pelas 13 horas e seguiu-se um almoço-convívio, em que o serviço foi considerado “bom, abundante e bem confeccionado”, onde a camaradagem e a amizade foram o forte de mais esta jornada.

Nesta reunião participaram o Tenente-General Rui Alberto Fidalgo Ferreira e Tenente-Coronel Morais Pequeno, respectivamente Presidente e Secretário da Comissão Executiva da Comissão; Francisco van Uden, Tenente-Coronel Brandão Ferreira (Presidente da Associação de Comandos), Dr. Lobo do Amaral, Francisco Monteiro, Coronel José Evaristo, Filipe Macedo (Delegado da Liga), Major Correia do Amaral (delegado da Força Aérea Portuguesa), Major Siborro Alves (Delegado do Exército), Major Diogo Dores (Delegado da GNR) e 1.º Tenente Reis Santos (Delegado da Armada).

Zé de Vasconcelos.



quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Em cheio a Passagem de Ano da nossa Associação de Combatentes


A passagem de ano organizada pela Associação de Combatentes do Concelho de Arganil levou até ao Santuário do Mont'Alto, cerca de 130 pessoas.

Deram-se largas à entrada do ano de 2017, com muito convívio, boa comida, e muita esperança nos 365 dias que já se iniciaram. As palavras dos presidentes da Direcção (António Vasconcelos) e da Assembleia Geral (Abel Fernandes), foram encorajadoras para mais uma etapa da Associação, onde até uma criança, com meia dúzia de anos, escreveu, mesmo ali e de momento, uma carta que quem a ler fica a conhecer quanto esta menina está ambientada no seio dos Combatentes, rejubilando pela forma como estava a viver aquela noite, conjuntamente com outras muitas crianças que no convívio participavam.



Ao cair da meia-noite todos levantaram a sua taça com votos de que haja mais paz, alegria e entusiasmo para viver, num mundo cada vez mais conturbado pela guerra, pela inveja, pela ganância...

E que a Associação continue, pois é uma forte vertente de solidariedade, de fraternidade e de amizade que Arganil e o seu concelho têm orgulho de possuir no seu seio.

ZÉ VASCONCELOS

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Passagem de Ano 2016


Que comecem as MARCAÇÕES

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Guarnição de Arganil visita NRP SAGRES

 Dia 29-10-2016 Figueira da Foz, chegada a Bordo da NRP SAGRES
 Entrega da cresta em lousa do Núcleo de Marinheiros de Arganil ao Sr CMDT da SAGRES para assinalar a visita desta guarnição a bordo 
Recepção pelo Senhor CMDT A. António Gonçalves à guarnição de Arganil  
 A guarnição de Arganil acompanhada pelo Filho da Escola Tó Marques Cabete da Figueira da Foz 

 Salmão grelhado 
 Como não podia deixar de ser após o repasto uma visita ao bar 
 Para ajudar a digestão nada como um chá de limão
 Após a incorporação na marinha do António Vasconcelos comemoramos com mais um chazinho
 O José Gomes recorda com saudade o tempo em que navegava com o Vasco da Gama, como o tempo passa, a idade tem destas coisas e o ano de 1964 já lá vai há tanto tempo. 
 Franco convívio com a guarnição da SAGRES. É sempre bom recordar aos Filhos da Escola que também lá passámos a nossa juventude.
 Tó Cabete e José Guerreiro
 Guarnição pronta para fazer leme. O Marilío como é o mais alto escondeu-se atrás do mais baixo
 Vista do convés
 Calhou ao Zeca o 1º turno ao leme
 Para evitar confusão na escala foi determinado que a restante guarnição ocupava os lemes disponíveis.
 Lemes disponíveis
 
Após a faina a guarnição saiu para terra, deixando para trás uma manhã que merece ser recordada.
Os nossos agradecimentos ao senhor Comandante António Gonçalves e a toda a guarnição de Filhos da Escola a bordo do NRP SAGRES
 Prancha
 Proa
 Vante
 Enfim, isto é a proa ou vante da maior embaixada portuguesa que navega pelo mundo
Como se compreende após uma labuta tão violenta o Tó Marques Cabete levou-nos a andar de carrossel, onde tivemos de provar cinco pratos diferentes de bacalhau, que estavam divinais

domingo, 6 de novembro de 2016

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Romagem de saudade desde Arganil ao Valado, com grito «Presente!...»

No Dia de Todos-os-Santos, dia de reflexão, dia de visitar e levar um gesto de saudade aos nossos mortos e deixar, porque não, uma lágrima de quem, nesta vida, mal ou bem, soube vivê-la à sua maneira, e que os que cá ficaram a interpretam da forma como a viveu e da forma que hoje a sua permanência entre nós ainda podia ser útil e generosa. Neste âmbito, também não são esquecidos os combatentes que tombaram nas matas africanas, em plena juventude, sobretudo os do nosso concelho.









E sobre os militares que não chegaram com vida à sua Pátria, à sua terra, porque bala traiçoeira ou acidente o apanhou e lhe roubou a vida, esses também não são esquecidos, porque a Associação de Combatentes do Concelho de Arganil, numa romagem de saudade, tem sabido honrar esses jovens, com a deposição de flores quer nos sinais monumentais onde essa marca está implantada, quer nos cemitérios onde jazem aqueles que não morrendo na guerra, acabaram os seus dias entre nós. Se estes foram lembrados nos cemitérios de Côja – João Alberto César, Augusto Casimiro Calinas e José Marques – de Vila Cova do Alva – António Paiva – em Arganil foram citados os nomes dos que pertencem ao concelho; em S. Martinho da Cortiça (Abrunheira), o único natural daquele freguesia que morreu em combate – António Artur Conceição Pereira – em Pomares, os quatro que não voltaram com vida e no Valado, o último que não se sabia onde se encontrava sepultado, vindo agora a saber-se que o 1.º cabo telegrafista José Henriques Pedro, morto entre Mocimboa da Praia e Diaca, faleceu em 24 de Maio de 1967 e está sepultado no cemitério de Mocimboa da Praia.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Convivio dos Combatentes em Moçambique


Estão Abertas as inscrições para mais um EVENTO da nossa Associação

sábado, 24 de setembro de 2016

A CPM 1446 (S. Tomé e Príncipe) visitaram a nossa sede









Realizou-se no sábado, dia 10 de Setembro de 2016, mais um Encontro de Combatentes do ex-Ultramar Português, os quais foram recebidos junto ao Monumento dos Combatentes do Concelho de Arganil, a pedido de um dos organizadores do convívio, Coronel Ruben Domingues, nosso conterrâneo da Portela da Cerdeira e que foi comandante da CPM 1446 (PPM 952 e PPM 1803), que esteve em missão de soberania em S. Tomé e Príncipe, além de ter comandado unidades noutras ex-províncias ultramarinas.
A concentração aconteceu precisamente na sua terra, aonde foi celebrada missa na capela de Nossa Senhora da Boa Viagem, tendo de seguida rumado a Arganil, até junto ao Memorial, que com elementos da Associação que esperavam a comitiva, colocaram uma coroa de flores com a seguinte inscrição: «A CPM 1446 e os PEL. 952 e 1083 prestam homenagem aos bravos militares do Concelho de Arganil tombados em combate nas ex-colónias portuguesas».
Ainda no Memorial, proferiram palavras de circunstância os Presidentes da Assembleia Geral, Abel Fernandes e da Direcção, António Vasconcelos.
Após as fotos de família, dirigimo-nos à nossa sede, para uma visita breve, já que o tempo não dava para mais, embora o Museu agradasse a todos.
Porém, antes de se subir ao Mont’Alto, o Coronel Ruben escreveu no nosso Livro de Honra as seguintes palavras e que todos os presentes assinaram: «É com muita alegria que visitei a vossa Associação, pois nota-se a preocupação de não esquecer os homens que defenderam a Pátria em terras africanas. Um abraço amigo».
Obrigado, Sr. Coronel, pelas suas palavras, as quais serão mais umas tantas a orgulharem-nos pela sede que possuímos e pelo trabalho que temos desenvolvido.
Ao almoço, que decorreu no Salão do Mont’Alto, nele estiveram representadas, bem como nos restantes actos, além da Associação de Combatentes de Arganil, a Associação de Lanceiros, com sede em Lisboa, representada pelo seu vice-presidente, Ângelo Freire; e a Câmara Municipal de Arganil, pela vereadora da Cultura, Dr.ª Paula Dinis.
A Comissão Organizadora deste Encontro de Combatentes, para além do Coronel Ruben Domingues, era constituída por Luís Filipe Alfacinha de Brito, de Évora e também por José Gago O. Patrício, de Setúbal, aos quais esta Associação agradece o convite por estarmos presentes neste Encontro de Combatentes em Arganil.